4 PASSOS PARA VENCER O PERFECCIONISMO.

Tempo de leitura: 3 minutos

Olá, pessoal!

Não sei se já aconteceu com você, mas já vi isso acontecer com muitos alunos meus a seguinte situação: muitas vezes o aluno deseja estudar de forma tão perfeita que acaba não estudando quase nada. Exemplo, o aluno planeja começar os estudos às 8:00 da manhã mas não consegue devido imprevistos… Como ele é perfeccionista e pôs na cabeça que “ou começo às 8:00 ou meu estudo não será perfeito”, então ele prefere não estudar o resto do dia que estudar de forma “imperfeita”. Parece coisa de louco, mas é somente o perfeccionismo atacando o bom senso mesmo.

Uma outra situação que ilustra bem os prejuízos de ser um candidato perfeccionista é quando ele nunca fica satisfeito com seu desempenho! Na verdade, o perfeccionista é quase sempre um estudante frustrado. Ele pode estudar muito, ser disciplinado, dedicado, organizado, determinado, concentrado, motivado, confiante, metódico, planejado, corajoso e etc e etc e etc… Mas para o perfeccionista não há um número que o satisfaça! Todo perfeccionista é muito mais insatisfeito que satisfeito, já que a perfeição não pode ser medida de forma objetiva! Não existe um “perfeitômetro.” Nesse sentido, dizer que algo é perfeito ou não é uma questão subjetiva, ou seja, não funciona.

Melhor que estudar com “perfeição” é estudar com continuidade porque isso sim funciona e gera resultados, já que o que gera resultados são ações constantes e não ações isoladas supostamente “perfeitas.” Os vencedores são aqueles que fazem e vão melhorando com o tempo e não aqueles que só agem quando julgam que suas ações estão perfeitas.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE FAZER BEM FEITO E PERFECCIONISMO?

Fazer bem feito é agir com foco na qualidade; é evitar de  fazer de qualquer jeito. Por sua vez, perfeccionismo é “agir” com foco na perfeição.  Coloquei “agir” entre aspas por que o perfeccionista age muito pouco. Seu sonho de fazer tudo perfeitinho o impede de agir.

O perfeccionista pensa que “o bom é inimigo do ótimo”, ou seja, pensa que fazer algo com qualidade “boa” não é legal e que legal mesmo é fazer com qualidade “ótima.” Nesse sentido, ele deixa de fazer algo que seria bom, alegando que só faz algo quando é para fazer com perfeição. Mas como perfeição não existe, ele acaba não fazendo nada. Por isso é preferível fazer algo com qualidade boa à não  fazer nada.

PASSOS PARA ESTUDAR COM O MÁXIMO DE QUALIDADE, SEM SE DEIXAR PARALISAR PELO  PERFECCIONISMO:

Passo 1: estabeleça metas realistas de estudo.

Exemplo: 35horas por semana, 20 exercícios por dia, ler um bloco de fichas MPETE® por dia.

Muitos alunos fazem planejamento extremamente rígido e utópico. Já atendi pessoas que queriam estudar 56h por semana, ou seja, oitos horas por dia, de segunda a segunda. O resultado?  Frustração garantida.

Passo 2: estude o máximo possível e não o máximo impossível

Estude o máximo de horas por dia que você conseguir, sem perder a qualidade do estudo. Estudar cansado demais não gera resultados positivos. Geralmente, até sete horas por dia, de segunda a sexta, mais quatro horas no sábado,  é o máximo que os candidatos conseguem. Lembrando que não importa o que as outras pessoas conseguem ou dizem conseguir. O importante é você concentrar em você mesmo e fazer o seu máximo.

Passo 3: Estude com regularidade

Somente pela ação que os resultados aparecem, ainda que sejam ações imperfeitas. Estudar de forma imperfeita é melhor que não estudar. Estude sempre e com regularidade. Claro que é preciso descansar. Mas não adie seu estudo com o pretexto de que um dia irá estudar com perfeição.

Passo 4: Aprimore-se constantemente.

Avalie os resultados de sua forma de estudar e melhore o que for preciso. O candidato deve evoluir sempre. Utilize técnicas de estudo comprovadamente eficazes e faça revisões periódicas sistematizada.

Treine, avalie e aprimore sempre.

“Você tem o dom da vitória!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *